O que é SEO e para o que serve?

Você com certeza conhece o Google e sabe como ele nos ajuda no dia a dia, seja para aprender algo novo, encontrar uma loja, produto ou serviço. Por ser o mecanismo de busca mais conhecido e utilizado, vamos falar bastante dele nesse post sobre SEO.

O que você talvez não saiba é que, ao criar o seu site, o Google, assim como qualquer mecanismo de busca, tenta inserir o seu site nas listas de resultados de pesquisa, a fim de que as pessoas possam encontrá-lo mais facilmente.

Contudo, milhares de sites são criados todos os dias, então como os buscadores podem organizar e ranquear todos eles de maneira justa? A resposta é que as páginas mais relevantes tendem a aparecer primeiro nas buscas, de maneira orgânica.

Isso acontece porque o Google rastreia os sites através do seu robô e, a partir de algoritmos, será determinado quais sites são mais relevantes e devem aparecer no topo da página de resultados. Esse ranqueamento é feito a partir de centenas de fatores que falaremos adiante e tudo isso é feito pensando na experiência do usuário.

A boa notícia é que você pode melhorar o ranqueamento do seu site aplicando algumas técnicas, que são popularmente conhecidas como  SEO. 

O que é SEO?

SEO é a sigla para Search Engine Optimization, que em português significa “otimização para mecanismos de busca” e trata-se de uma série de técnicas para melhorar o ranqueamento orgânico do seu site nos mecanismos de busca.
Como o nome sugere, o SEO consiste em fazer melhorias em uma página para que ela apareça nos sites de busca. Essas melhorias podem ser criação de URLs (link das páginas) personalizadas, criação de textos com palavras-chave relevantes, entre outros. 

Além de receber mais visitas, estar no topo de pesquisas do Google passa bastante credibilidade para os seus clientes, por isso, A Simples Inovação traz os cinco principais fatores de ranqueamento:

1- Autoridade do site
A autoridade é um fator muito relevante, por isso é comum ver os maiores players do mercado nas primeiras posições nas pesquisas.


2- conteúdo relevante e  original
Invista em conteúdo! Os buscadores têm interesse em mostrar páginas que sejam fonte de conhecimento. 
3 – Palavra- chave
Sempre use palavras-chave no seu conteúdo. Se possível, use-as nas primeiras linhas do seu texto.

4 – tempo de permanência na página
O Googlebot também observa quanto tempo as pessoas ficam no seu site e isso pode estar relacionado a relevância do seu conteúdo.

5- Mobile dedicado
Os buscadores dão preferências para sites que já estejam adaptados para o Mobile, afinal, a maior parte das pessoas acessam a internet pelo celular.

Foque na experiência do usuário

É importante ressaltar que todas essas técnicas devem ter como objetivo oferecer uma boa experiência para o usuário, o bom ranqueamento será consequência dos esforços.

Existem práticas consideradas antiéticas pelo Google, conhecidas como Black Hat SEO. Essas técnicas visam somente a melhora no ranqueamento, ignorando a experiência do usuário e por isso infringem as regras dos sites de busca. Algumas práticas antiéticas: Inclusão de palavras ocultas, compra de links de outros sites, repetição de palavras- chave, entre outros. Essas práticas podem levar a punições e exclusão do site no buscador.

As práticas listadas nos cinco principais fatores de ranqueamento são técnicas consideradas White Hat SEO, ou seja, não vão contra as diretrizes dos buscadores, afinal, são voltadas para otimização de conteúdo do site. As técnicas de SEO tem retorno de médio a longo prazo e não são passíveis de punição.
Para saber mais detalhes, você pode acessar o conteúdo do Google sobre SEO.

Agora que você já sabe o que é SEO, como utilizar as técnicas e diferenciar o que são práticas antiéticas, esperamos que você possa colocar todas as dicas em prática. E caso precise de uma força para turbinar o seu e-commerce, temos um time de especialistas para te ajudar. 

O que é um sistema ERP para e-commerce e por que preciso de um?

Se você está começando um e-commerce, provavelmente já deve ter ouvido falar que os sistemas ERP facilitam muito a rotina da sua loja. Mas você sabe exatamente quais são as suas funções? A Simples.Inovação vai te ajudar nessa!

O ERP (Sigla para Enterprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos da Empresa em português) é um sistema de gestão integrada, que tem como objetivo organizar e centralizar as informações da sua loja, auxiliando na gestão administrativa e operacional da sua empresa.

Abaixo, listamos algumas funcionalidades que os sistemas ERP podem ter e que facilitarão o seu dia a dia:

1 – Integração com multicanais

Quando falamos de vendas por canais digitais, temos duas opções: A plataforma de E-commerce, na qual você montará um site e venderá por ele e o Marketplace, onde você já terá uma estrutura completa e precisará apenas cadastrar os seus produtos. O ERP permite que você trabalhe com os dois canais simultaneamente sem precisar acessar várias telas para cadastrar produtos e receber pedidos, por exemplo, facilitando o processo das vendas online.

2- Emissão de notas fiscais

Com o ERP você também conseguirá economizar tempo para gerar notas fiscais. Com apenas alguns cliques, você conseguirá emitir as notas, sem necessidade de digitação manual. Você precisará cadastrar a natureza da operação previamente em seu sistema e, com os dados fornecidos pelo cliente no ato da compra, a nota fiscal será emitida com mais agilidade.

3- Controle de estoque

A centralização do ERP também permite um controle mais eficiente do estoque. As atualizações do estoque são feitas automaticamente através das notas fiscais de compra e venda, ao realizar uma venda em sua loja física ou fazer uma baixa manual de estoque.

4 – Separação e envio do produto

O ERP também auxilia nas últimas etapas da venda online. Na separação dos pedidos, o sistema consegue otimizar o processo através da utilização de recursos como a conferência por código de barras, evitando o erro de envio de produtos errados que acarretam na necessidade de troca, gerando retrabalho e despesas desnecessárias para a loja.

No último passo, a expedição do produto, o seu sistema pode facilitar o processo ao gerar as etiquetas com endereço para envio. As informações serão importadas dos dados preenchidos pelo cliente ao finalizar a compra. Você precisará apenas imprimir e colar na embalagem de envio.

Em resumo, o ERP para E-commerce tem como função facilitar as rotinas de gerenciamento da loja, para que você não precise realizá-las manualmente. Embora você possa iniciar a sua loja sem este recurso, é importante analisar sua viabilidade o quanto antes, afinal, você precisará dessa ajudinha para lidar com o alto volume de vendas, principalmente se você atua em mais de um canal.

Gostou desse conteúdo? Tem alguma dúvida sobre criação ou evolução da sua loja virtual? Entre em contato conosco! A Simples. Inovação tem um time de especialistas em e-commerce prontos para te ajudar.

Montando um E-commerce do zero: Veja o que você precisa para abrir uma loja online

Você com certeza já ouviu falar que os hábitos de consumo estão mudando e que por isso o E-commerce tornou-se essencial para o varejo, principalmente após as restrições trazidas pela Covid-19. Itens de necessidade básica passaram a ser comercializados em maior escala pela internet e, devido a comodidade, segurança e rapidez, não são poucos os clientes que hoje preferem fazer todas as suas compras online mesmo com a flexibilização das medidas de segurança. Apesar disso, pouco se fala sobre os desafios que um empreendedor enfrenta para obter informações ao decidir abrir um e-commerce. Se você está começando um negócio ou já tem uma loja física e precisa criar uma presença digital, esse conteúdo é para você.

Embora pareça difícil, abrir uma loja online não é um bicho de sete cabeças. Por isso, criamos uma lista com 5 dicas para te ajudar a dar os primeiros passos no e-commerce.

1. Compre um domínio
O domínio é o endereço pelo qual seu site será encontrado na internet. Ao escolher o nome da sua loja, é importante garantir que o domínio está disponível para compra. Nomes muito comuns provavelmente já estarão cadastrados.

2. Escolha uma plataforma de E-commerce
A plataforma de E-commerce é o sistema no qual sua loja será criada, gerenciada e disponibilizada na rede. Por isso, essa é uma fase muito importante e você precisa escolher qual plataforma melhor atenderá suas necessidades, de acordo com o tamanho da sua loja, projeções e verba disponível para o projeto. Caso tenha dúvidas, a Simples. Inovação pode te ajudar.

3- Escolha os meios de pagamento
É fundamental escolher quais formas de pagamento você deseja oferecer aos seus clientes. As mais comuns são cartão de crédito, boleto e PIX, mas você pode escolher de acordo com o que faz mais sentido para o seu ramo de atuação. Além do meio de pagamento, é importante contratar um serviço de Antifraude para evitar possíveis ataques de clientes mal intencionados e investir em selos de segurança, como o SSL. Esse selo atesta que as informações compartilhadas pelo cliente serão criptografadas, e consequentemente, o cliente se sente seguro de comprar na sua loja online.

4- Escolha a forma de envio
Se a sua loja vende um produto físico, você precisa fazer com que esse produto chegue até o cliente. Você pode enviar as encomendas pelos correios ou ter uma parceria com uma empresa de logística, por exemplo. Além disso, uma pesquisa realizada pelo Invesp (instituto inglês de pesquisa) aponta que 44% dos carrinhos de compra são abandonados devido aos custos de frete. É importante garantir que os valores da entrega não serão um impeditivo para que os clientes finalizem suas compras.

5. Escolha um ERP para E-commerce
O ERP é um software que te ajudará na integração da sua loja online com os pedidos recebidos, estoque, pagamentos, envios, etc. Embora você possa começar a sua loja sem um ERP, ele facilita bastante as rotinas de gestão e possivelmente em algum momento você irá contratar algum.

Agora que você já sabe quais os primeiros passos para abrir a sua loja online, é importante ter um parceiro para te ajudar a executar o seu projeto. Entre em contato conosco para solicitar a sua proposta de implantação de E-commerce.

Você sabe como aparecer no mapa do Google? Entenda aqui!

como aparecer no mapa do google entenda aqui

Conseguir um bom posicionamento na internet é o sonho de muitos empresários e gestores. Quem tem uma pequena ou média empresa, precisa considerar a possibilidade de intensificar esses resultados e descobrir como aparecer no Google Maps.

Esse é um excelente canal para quem quer promover um negócio no universo virtual. Ao investir nessa ideia, é possível inserir todas as informações relevantes sobre a marca para intensificar sua presença e facilitar seu crescimento on-line.

É comum, porém, que ao tentar se inscrever na plataforma encontrem-se empecilhos. Se esse for o seu caso, não se preocupe! Leia este post e descubra como aparecer no mapa do Google de um jeito simples e prático. Vamos lá?

Quais as vantagens de aparecer no Google Maps?

Ainda não está convencido sobre as vantagens de inserir sua empresa no Google Maps? Saiba que os benefícios disso são inúmeros. Acompanhe, a seguir, os principais deles!

Popularização da marca

Quer saber o que fazer para que sua marca se torne mais popular no mercado? Aparecer no mapa do Google é uma excelente alternativa, pois faz a empresa deixar de ser invisível na internet.

Quando a companhia é cadastrada no canal, é preciso incluir todas as suas informações básicas, como endereço, telefones, site e horários de funcionamento. Assim, cada vez que um usuário buscar pelo serviço que ela oferece, ela vai aparecer como sugestão.

Aumento do alcance

Ter uma boa presença na web é fundamental para o sucesso de qualquer negócio. Empreendimentos que desejam aumentar seu alcance on-line têm no Google Maps uma excelente ferramenta.

Quando aparece nesse canal e tem um bom posicionamento nas buscas, a organização passa a ter mais facilidade para atrair novos consumidores. Isso, naturalmente, torna mais fácil promover seu trabalho.

Cadastro fácil e gratuito

A inscrição no Google Maps é totalmente gratuita. E mais: o cadastro é simples e pode ser acessado de qualquer localização para atualizar os dados ou fazer ajustes sempre que necessário.

Como o Google Maps funciona?

Com os recursos do Google Maps, o usuário encontra endereços, confere trajetos e calcula distâncias entre diferentes pontos, tanto no modo de visualização básico quanto no avançado — como o Google Street View. Para quem tem um smartphone, há a possibilidade de usar a plataforma como um GPS.

Para os empresários, há, ainda, a ferramenta Google Meu Negócio. Trata-se de um canal para que os gestores divulguem suas empresas no Google Maps ou no Google+. Com ele, é possível:

  • inserir a empresa no Google Maps, com um tour virtual;
  • incluir dados de contato, como telefone, endereço, site e e-mail;
  • mostrar o horário de funcionamento e os horários de pico;
  • exibir as avaliações dos clientes;
  • apresentar fotos internas do estabelecimento.

Como cadastrar uma empresa na plataforma?

Para aparecer no mapa do Google, é necessário fazer o cadastro da companhia no Google Meu Negócio. A plataforma é simples, intuitiva e fácil de usar. Veja o passo a passo:

  • acesse o site oficial da solução;
  • faça o login com a conta de e-mail do Gmail;
  • entre no menu principal e clique em “Aparecer no Google”;
  • preencha as informações básicas da empresa;
  • leia com atenção e aceite os termos de serviço;
  • solicite o código de verificação (ele será enviado para o e-mail registrado).

Depois dessas etapas, o negócio é automaticamente inserido no Google Maps. Viu como é fácil? Siga essas dicas, aproveite as funcionalidades desse canal e, em breve, você notará resultados incríveis no seu negócio!

Gostou deste conteúdo? Ainda tem alguma dúvida ou quer comentar sobre sua experiência com essa ferramenta? Deixe seu comentário e participe dessa conversa com a gente!

6 dicas essenciais de como anunciar seu negócio no Facebook

Se a sua marca quer ser vista, ela precisa anunciar no Facebook. Trata-se da maior rede social da atualidade, com mais de 2 bilhões de usuários em todo o mundo, 130 milhões deles no Brasil.

É possível emprestar toda a visibilidade dessa gigante da internet para a sua empresa. Basta criar uma página no Facebook e começar a publicar conteúdo voltado aos seus objetivos.

Para isso, é necessário implementar uma estratégia de marketing focada nas forças dessa rede social. Afinal, há cada vez mais concorrência pela atenção do público nessa plataforma.

Quer ajuda nisso? Confira a seguir 6 dicas essenciais de como anunciar seu negócio no Facebook!

1. Entenda o perfil do seu público

Anunciar no Facebook envolve oferecer algo ao público que seja do interesse dele. Portanto, uma etapa muito importante do processo é aprender o máximo sobre as necessidades dessas pessoas.

Procure entender quais são as motivações do público e de que forma o seu produto ou serviço traria benefícios a eles. Dessa maneira, é possível aumentar o potencial de sucesso do seu conteúdo.

2. Acerte no conteúdo visual

Os seres humanos são criaturas visuais e isso se traduz no uso das redes sociais. Se você deseja anunciar no Facebook, precisa contar com um design que reafirme sua identidade visual e chame a atenção do público.

As suas chamadas também precisam de criatividade para conseguirem cativar as pessoas. Lembre-se de que a sua página está concorrendo por espaço com vários outros tipos de conteúdo no Facebook.

3. Interaja com o público

Trabalhar com redes sociais não é uma via de mão única. Você também precisa receber feedbacks do seu público e interagir com ele a partir desses contatos. Senão, a sua empresa poderá causar insatisfação.

Crie o hábito de checar as interações da sua página periodicamente. Além disso, adote uma postura de buscar sempre a solução para os pedidos enviados pelas pessoas. O seu atendimento precisa ser muito eficaz.

4. Aponte para destinos de conversão

Para anunciar no Facebook com alto potencial de sucesso, você precisa de uma estratégia voltada a direcionar o público para algum destino de conversão. Dessa forma, é possível fazer da rede social uma poderosa ferramenta de vendas.

Por exemplo, um restaurante pode publicar links para a sua seção de reservas. Já uma loja pode fazer isso para cada produto anunciado. Seja qual for a sua abordagem, é importante sempre olhar para os seus objetivos.

5. Utilize a plataforma de anúncios

Você pode direcionar o seu conteúdo para fatias altamente específicas de público usando a plataforma Facebook Ads. Os anúncios pagos do Facebook trarão um excelente custo-benefício à sua empresa, bastando utilizá-los bem.

A grande força do Facebook Ads está em suas opções de segmentação. Dá para exibir seus anúncios para pessoas com características e interesses definidos por você. Assim, você aumenta as suas chances de conversão.

6. Fique de olho nos seus resultados

A única forma de ter certeza de que a sua estratégia de marketing no Facebook está dando certo é acompanhando os seus resultados de engajamento e conversão. Monitore o quanto seus posts estão fazendo a diferença nos seus resultados.

Fazer isso periodicamente também ajuda a corrigir a rota da sua campanha caso necessário. Por exemplo, você pode perceber que determinado tipo de post traz muito mais resultados do que os demais. Portanto, vale a pena intensificá-lo.

Anunciar no Facebook não é algo que traz sucesso automaticamente. É preciso pensar em uma abordagem que faça sentido para os objetivos da sua empresa e as características do público que você pretende atingir. Utilize as forças dessa rede social a seu favor e mantenha a sua estratégia em plena evolução.

Conte com a parceria certa para ajudar em seus resultados: entre em contato conosco e conheça todas as possibilidades!

Afinal, o que é cross selling e upselling? Saiba como aplicá-las!

Você já ouviu falar em o que é cross selling e upselling? Talvez você não esteja familiarizado com os termos, mas provavelmente conhece as estratégias. São duas técnicas para aumentar o seu ticket médio e a quantidade de itens no carrinho do seu cliente.

A primeira trata de uma sugestão de produtos complementares ao produto comprado, como uma cadeira para quem comprou uma mesa de jantar. Já a segunda sugere um upgrade do item, como a oferta de um conjunto de jantar feito madeira maciça, por exemplo.

Sabendo o momento e os produtos certos, um ecommerce pode antecipar as necessidades do consumidor, aumentar suas vendas e fidelizar clientes. Quer saber mais sobre esse conceitos e como aplicá-los na prática? Leia este artigo até o fim!

O que é cross selling e upselling?

Mais detalhadamente, o upselling é uma melhoria, ou a sugestão de um produto melhor em referência ao produto escolhido. Já o cross selling é quando você oferece itens adicionais complementares ao produto selecionado.

Por exemplo, quando um atendente do Subway pergunta: “deseja dobrar o queijo por apenas R$ 1?”, isso é upselling. Da mesma forma que oferecer um processador melhor na compra de um notebook.

Voltando ao exemplo do Subway: quando, ao fim da compra, o atendente oferece um refrigerante e um cookie, ele está praticando o cross selling. Em vez de comprar somente o sanduíche, você tem a opção de levar mais dois itens, complementares ao seu lanche.

Como aplicar o cross selling no ecommerce?

A maneira mais simples de começar uma estratégia de cross selling é sugerindo produtos de uma mesma categoria para o cliente, dentro do contexto da compra.

Faça isso na própria página do produto, baseando-se nas palavras-chave buscadas e faixa de preço do produto. Utilize frases como: “Quem comprou este produto comprou também o produto x”, “Você também vai gostar de x produto”.

Ofereça kits e combos promocionais

Quando sugerir mais de um item para complementar a aquisição, procure oferecer um desconto para ele levar todos juntos. Dessa forma, o cliente enxergará uma oportunidade de negócio e será um estímulo a compra por impulso. Muitas dessas funções são nativas da plataforma de ecommerce.

Reunir um grupo de produtos em único kit, diminuindo um pouco sua margem de lucro, pode atrair o cliente a finalizar a compra mais depressa.

Ofereça produtos com base no histórico do cliente

O cross selling e upselling podem ser feitos também após a compra. Não é sempre que seus clientes estão dispostos a gastar mais, porém, você pode oferecer outros produtos em um momento mais oportuno.

Para oferecer novas ofertas alinhadas com as primeiras adquiridas, é necessário alimentar banco de dados, como um CRM. Avalie as informações sobre compras anteriores e pense em produtos que podem ser ofertados de forma a completar essa compra.

Crie uma estratégia de e-mail marketing

A dica anterior pode ser automatizada com um CRM integrado a uma ferramenta de e-mail marketing. Você pode criar e-mails segmentados com base nas compras de seus clientes e programar de quanto em quanto tempo serão enviados.

Essa estratégia funciona muito bem também nos casos em que o produto necessite de recompra, um lembrete de que o cliente pode encontrá-lo mais uma vez na sua loja. Agora que você já sabe o que é cross selling e upselling comece agora mesmo a aplicá-lo em sua loja!

Gostou deste post? Venha saber mais sobre comércio eletrônico: baixe agora mesmo ebook “Dicionário do e-commerce”!

Publicado originalmente em nosso Portal do Ecommerce

Relacionamento com o cliente online: 4 dicas para seu ecommerce

Gerenciar um ecommerce é um desafio diário para muitas empresas. Um dos aspectos que precisa ter a atenção redobrada é o de se ter um bom relacionamento com o cliente online.

Como no e-commerce não existem vendedores, os lojistas precisam criar meios para a comunicação com os consumidores. Neste artigo preparamos 4 dicas sobre como manter um bom relacionamento entre os clientes e a loja virtual. Acompanhe!

1. Ofereça diferentes canais de atendimento ao cliente

Uma forma bem interessante de estreitar o relacionamento entre a loja virtual e o cliente é a utilização de diferentes canais de comunicação.

Chat

Preferencialmente, é aconselhável ter um chat na própria plataforma do e-commerce. Esse meio de comunicação, ajudará na experiência do usuáriocom sua loja, já que é fácil e rápido acessar a ferramenta.

Os chats também podem ser feitos por meio das redes sociais, já que o consumidor poderá ter mais informações e de maneira mais rápida sobre uma publicação de uma oferta, por exemplo.

Redes Sociais

E por falar em redes sociais, elas são uma boa fonte para entender o que os consumidores procuram nos e-commerces. A interação entre marca e cliente deve ser feita de maneira humanizada, já que os usuários têm preferido esse tipo de interação.

E-mail

Um contato mais pessoal é o envio de e-mails aos clientes com informações exclusivas, ou seja, benefícios que só eles poderão usufruir. Isso deixará o cliente com a sensação de ser VIP, melhorando ou mantendo a imagem que tinha da sua loja.

Porém, evite enviar conteúdo sem a autorização do cliente, para que seu material não vá para a caixa de spam.

Veja também:

crm no ecommerce

Como fazer uma Gestão de CRM eficiente no Ecommerce

2. Envie e-mails transacionais

Como vimos, o envio de e-mails é uma maneira mais pessoal de se comunicar com os clientes. Deixar o consumidor o mais atualizado possível é importante para que se mantenha o bom relacionamento.

Imagine que o cliente comprou um produto com frete grátis. A ansiedade de recebê-lo o quanto antes é grande. Quanto mais informações o cliente tiver sobre as etapas, desde a compra até a entrega, melhor será. E quanto mais informações forem repassadas para o consumidor, diminuirá a desconfiança com sua marca e surgimento de novas dúvidas.

A maioria dos serviços de entrega já disponibilizam essa comodidade para os lojistas, sendo necessário apenas fazer a integração entre os sistemas.

3. Estreite o relacionamento com o cliente online por meio de programas de benefícios

Oferecer condições especiais para os clientes ajuda a fortalecer a relação entre ambas as partes. Descontos na primeira compra ou vantagens exclusivas para os assinantes são algumas das vantagens que podem ser oferecidas ao consumidor.

Esse tipo de serviço pode ser uma alternativa para fidelizar ou atrair novos clientes, já que sua loja terá, dessa forma, algumas vantagens diante da concorrência.

Veja também:

automação de marketing

Automação de marketing para Ecommerce: 5 coisas que você precisa saber

4. Tenha em seu e-commerce uma página de perguntas frequentes

Dedique uma página exclusiva para as perguntas mais frequentes dos consumidores. Isso mostrará que sua loja está realmente preocupada em solucionar as dúvidas de maneira rápida, sem que o cliente precise recorrer ao SAC.

Existem algumas formas que auxiliam na verificação das dúvidas mais frequentes:

  • e-mail: podem ser enviados formulários com pesquisa de satisfação;
  • redes sociais: pode ser feito o monitoramento de todas as mensagens que envolvam seu e-commerce;
  • SAC: a própria equipe de atendimento poderá fornecer uma lista com as perguntas mais frequentes;
  • buscadores: por meio dos resultados das pesquisas por palavras-chave.

Ao definir quais são as perguntas mais frequentes que seus consumidores têm, respondê-las de maneira direta e clara é o recomendado. Organize-as por tópicos, como: tempo médio das entregas, politica de troca de produtos etc.

Vivemos uma era em que a comunicação não é mais de via única. Os consumidores querem ser ouvidos, e a sensação de pertencimento nunca foi tão cultuada entre as pessoas. O relacionamento com o cliente online é muito mais amplo, por isso é importante atentar-se a esse aspecto, pois são os consumidores que dão forma para a sua loja virtual.

Se você gostou das nossas dicas, assine nossa newsletter e fique informado sobre todas as novidades do nosso blog!

Veja também:

quanto tempo as pessoas levam para fazer compras online

Você sabe quanto tempo as pessoas levam para fazer compras online?

 

Artigo publicado originalmente em nosso Portal do Ecommerce.

Aumentar Vendas: 5 formas SEM aumentar o investimento

Quer vender mais, mas acabou a verba. Como aumentar as vendas?

Como aumentar vendas é o desejo de todos. Mas como fazer isso se você não tem grana para atrair mais público? Seria isso possível? Sim! Existem estratégias que podem te ajudar a sair dessa situação.

É o seu caso?

Você já consegue atrair público para sua loja virtual. Já até consegue fazer vendas. Mas as vendas ainda são baixas e você não tem mais dinheiro para investir em ganhar mais público novo? Esse texto é para você! Vamos falar de 5 formas para aumentar vendas da loja virtual sem aumentar o investimento.

Essas 5 estratégias são utilizadas pelas grandes varejistas e podem ser aplicadas por você também. Algumas funções que vou apresentar aqui já fazem parte de algumas plataformas, outras você pode adaptar ao seu modo.

1. Cross-selling

A primeira forma é a famosa “venda casada” – só que com um nome mais bonito.

Utilizar o Cross-selling permite que você aumente o ticket médio das vendas em sua loja. Por exemplo, se uma pessoa coloca em seu carrinho uma chuteira, você oferece uma bola ou um meião.

Essa estratégia significa que você otimiza o custo de aquisição, afinal, o custo para trazer o cliente para o site continua o mesmo. Porém, a rentabilidade desse cliente aumenta a partir do momento que ele compra mais de um item.

2. Cupom recompra

Para fazer valer o “volte sempre!”

A pessoa já se tornou um cliente, comprou um item seu e agora poderá experimentar da sua qualidade e até falar para outros futuros clientes sobre sua marca. Por que não aproveitar que ela acabou de receber um produto seu e dar um incentivo para que ela faça uma próxima compra?

Envie junto com o produto um cupom de desconto exclusivo. Você pode enviar por e-mail também. Mas sugiro esperar o produto ser entregue. Se o cliente acabou de comprar, ainda nem recebeu o item, pode parecer grosseiro e forçar demais a barra já tentar outra venda.

Além disso, depois de receber o produto o cliente estará feliz com a chegada do item e poderá comprar outro por impulso.

O cupom pode ser para um produto complementar ao que ela acabou de comprar. Ou pode deixar ele livre para escolher o que comprar. Talvez ele use para uma compra que ela já está há um tempo adiando, mas, como agora recebeu um desconto, dará preferência para sua loja.

É mais fácil incentivar alguém que já comprou um item, a comprar novamente, do que ter que conquistar um novo comprador que nem conhece sua marca. Essa recompra ajuda muito a aumentar vendas e não custa muito menos que um novo cliente.

3. Up-selling

Vender um produto acima

O cliente chegou na sua loja virtual, colocou no carrinho o item que vai comprar. É um item básico e da linha mais simples. Que tal oferecer um produto um pouco acima? Muitas vezes esse produto um pouco mais caro, pode ser muito melhor que o outro e atender melhor as necessidades do cliente.

Além disso, um produto mais caro e pode ter uma margem maior. Com isso sofrerá menos impacto dos custos que você teve para o cliente chegar na sua loja. Por exemplo, custo do anúncio no Google AdWords.

O Up-selling é uma boa estratégia, porém nem sempre a plataforma já terá isso disponível. Para adaptar caso a plataforma não disponibilize isso, sugiro somar essa estratégia com a do cupom de recompra. Assim você vai oferecer um cupom para a compra de um item acima ao já comprado. Também pode oferecer um desconto maior se o cliente fizer uma compra mais cara.

4. Looks

Ótimo para moda e decoração

Muitas vezes o público pode ficar em dúvida se um produto exibido sozinho ficará bom ou não. Então por que não exibir um produto contextualizado?

Coloque uma modelo utilizando algumas peças que combinam e de a opção da pessoa comprar o look completo. Assim ela saberá exatamente como ficará a combinação das roupas.

Para decoração, decore um ambiente e de a opção do público comprar as peças juntas. Pode até incentivar com um desconto caso compre o conjunto ou mais de um item. Fica mais fácil do cliente comprar quando ele tem a perspectiva visual de como aqueles móveis ficarão no ambiente.

5.”Quem viu este, viu também”

Pessoas têm interesses semelhantes.

Por mais diferentes que sejam as pessoas, elas continuam tendo pontos em comum e necessidades em comum. Se alguém buscou em sua loja um item e depois buscou outro, pode ser que outras pessoas repitam o mesmo caminho.

Por exemplo, um cliente busca em seu site por mesa para escritório, logo em seguida busca por cadeira para escritório. Você poderia exibir a cadeira como sugestão para os próximos que buscarem por mesas de escritório. Existem plataformas já fazem isso automaticamente.

Utilizar essa função pode permitir descobrir interesses em comum que poderiam não parecer tão óbvios, como a relação entre mesas de escritório e quadros decorativos.

Aumentar vendas

O aumento de vendas é sempre resultado de um bom planejamento. Análise as 5 estratégias e comece a testar quais podem se encaixar mais no seu negócio. Essas 5 formas de como aumentar vendas são práticas e podem ajudar muito quando a grana está curta.

Espero que tenha gostado do texto! Comente aqui embaixo o que achou. Fico à disposição para qualquer dúvida que você tiver 🙂

Veja também: O fundamental para um Facebook que atraia clientes para loja virtual

Esse artigo foi publicado originalmente no Portal do Ecommerce.

 

Quer criar ou melhorar sua loja virtual?

4 informações essenciais sobre embalagens para ecommerce

Embalagem para ecommerce: se você pensa que o modo como as mercadorias chegam até o consumidor não é um fator a considerar em relação à experiência de compra, é melhor pensar de novo!

Afinal, as embalagens não se resumem apenas a uma caixinha bonita — muito pelo contrário. Elas são de extrema importância para garantir a integridade dos produtos e passar uma boa impressão ao cliente.

Por isso, se você está pensando em abrir uma loja virtual, não perca em hipótese alguma este post que preparamos especialmente para você! Aqui, vamos apresentar três informações essenciais sobre as embalagens para e-commerce. Continue a leitura!

1. Principais materiais e média de preços

Plástico bolha

Pode ser encontrado em bobinas ou em forma de envelope:

  • bobina de 40 cm x 100 m (R$ 30);
  • 100 envelopes de 28 x 21 cm (R$ 32);
  • 100 envelopes de 25 x 32 cm (R$ 36);
  • 100 envelopes de 16 x 20 cm (R$ 28).

Caixas de papelão

Em relação às caixas de papelão, consideramos os valores médios para as opções tradicionais do e-commerce:

  • 100 caixas de 17 x 11 x 4,5 cm (R$ 102);
  • 100 caixas de 17 x 15 x 6 cm (R$ 128);
  • 100 caixas de 18 x 13 x 9 cm (R$ 128);
  • 100 caixas de 27 x 18 x 9 cm (R$ 164);
  • 100 caixas de 27 x 23 x 11 cm (R$ 204);
  • 100 caixas de 28 x 14 x 8 cm (R$ 148);
  • 100 caixas de 32 x 23 x 15 cm (R$ 276);
  • 100 caixas de 35 x 26 x 6 cm (R$ R$ 204).

Entretanto, fique atento para o fato de que as personalizações farão com que os preços subam razoavelmente.

Veja também

5 dicas para calcular o frete da sua loja virtual

5 dicas para calcular o frete da loja virtual

Papel pardo/kraft

  • bobina de 80 g — 40 cm x 150 m (R$ 36);
  • bobina de  80 g — 60 cm x 150 m (R$ 63);
  • bobina de  80 g — 80 cm x 150 m (R$ 79);
  • bobina de 80 g — 100 cm x 150 m (R$ 89).

Esses são os tipos de materiais mais utilizados nas embalagens para e-commerce. Entretanto, existem ainda:

  • almofadas de ar;
  • placas de isopor;
  • papel fragmentado;
  • entre outros.

Para selar a caixa de envio, utilize fita adesiva ou gomada!

2. Empacotamento dos produtos

No que diz respeito ao empacotamento dos produtos, atente-se às dimensões. Simples assim! Para o embalo de itens mais delicados, as almofadas de ar ou as placas de isopor devem ser utilizadas para garantir sua proteção.

3. Impacto no frete

O impacto no frete é um ponto-chave. Basicamente, a tabela dos Correios e das transportadoras é precificada de acordo com o peso físico e o peso cubado. A cobrança, por sua vez, será feita pelo maior valor entre os dois.

Desse modo, o tamanho das embalagens terá a mesma relevância da gramatura dos seus insumos. Tendo como exemplo as caixas de papelão, a dica é optar por tamanhos fixos e que se aproximem das dimensões dos produtos.

Veja também

Relacionamento com o cliente online: 4 dicas para seu ecommerce

Relacionamento com o cliente online: 4 dicas para seu ecommerce

4. A importância da embalagem para e-commerce

Embora sua função principal seja a segurança, o ponto a destacar, nesse caso, é que as embalagens terão um grande impacto no que se refere à conquista dos consumidores — o primeiro passo para a fidelização.

E o por que disso? A resposta: porque após adquirir um produto na internet, o primeiro contato do cliente com a sua marca será por meio da embalagem. Assim sendo, capriche nesse quesito, visando proporcionar ao seu público uma experiência agradável.

Portanto, dê uma atenção especial ao design, procurando customizações tanto para a proteção interna quanto para o fechamento externo. Esse cuidado é interessante para o ganho de credibilidade.

Além disso, a escolha da embalagem correta reduz a logística reversa, ou seja, as trocas e devoluções. Para o cliente, receber um produto danificado é uma decepção.

Gostou de conhecer nossas dicas sobre embalagem para e-commerce? Quer continuar otimizando seu negócio? Então, curta e acompanhe a nossa página do Facebook e fique por dentro dos melhores conteúdos sobre comércio eletrônico!

Veja também

política de troca

Política de Troca e Devolução da loja virtual: Conheça as Melhores Práticas

Esse conteúdo foi publicado originalmente em nosso Portal do Ecommerce.

3 dicas essenciais para aumentar sua lista de emails

Como aumentar a lista de emails, eis a questão. Dúvida comum entre boa parte dos empreendedores digitais, está aí uma das principais atividades no que se refere à atração de novas oportunidades.

Devido à importância de ter uma boa base de leads e engajada com o seu e-commerce, nada mais justo do que criar estratégias para ampliá-la. Embora não seja um trabalho fácil, há diversas maneiras para se fazer isso.

E é exatamente o que vamos abordar neste artigo. Aqui, você verá três dicas essenciais para aumentar a sua lista de emails. Está pronto? Então vamos lá!

1. Forneça conteúdos de qualidade

Ofereça conteúdos de qualidade, disponibilizando informações relacionadas ao seu nicho e que sejam relevantes para o seu público-alvo. Nesse sentido, estamos nos referindo à criação de um blog, uma ferramenta que será de grande ajuda quanto à construção da sua lista.

A dica é simples: publique conteúdos regulares (posts) e crie estratégias para fazer com que os leitores forneçam os seus emails, convidando-os a assinar a sua newsletter ou fornecendo materiais para download (e-books, infográficos, pesquisas e estudos etc.).

Para aqueles que não gostam de ler, o Vooozer é simplesmente fantástico, muito eficiente. Com ele, você estará publicando junto ao artigo em texto a sua versão em áudio: para escutá-lo é só digitar o email em um campo específico e dar um play.

Contudo, não se esqueça de que fazer por fazer não dará resultados, é preciso ter qualidade. O ideal seria contratar uma agência de marketing de conteúdo para ajudar.

2. Proporcione vantagens exclusivas em troca dos cadastros

Oferecer vantagens exclusivas em troca dos cadastros é outra maneira interessante de aumentar a sua lista de emails. Como exemplo, crie um boletim de ofertas e descontos especiais e reforce a ideia de que ele só será divulgado nesse canal.

Condições diferenciadas para a primeira compra também são uma tática muito válida, aliás bastante utilizada pelos principais e-commerces do mercado.

Enfim, as possibilidades são inúmeras — use e abuse da sua criatividade.

3. Aposte nas campanhas de indicação

Mais uma forma de fazer crescer a sua base de leads é apostando nas campanhas de indicação. E como isso pode ser feito? Criando concursos que premiam os visitantes que se inscreveram para receber os prêmios. Simples assim.

Em relação às regras para participar, exija o email e peça que eles indiquem pelo menos um amigo, no máximo três. Deixe claro quais serão os prêmios e quando serão sorteados, por exemplo.

No que diz respeito ao método a utilizar, a melhor alternativa não poderia ser outra a não ser as redes sociais. Facebook e Instagram são as principais: o Sorteador e o SorteioGram são tipos de ferramentas que auxiliarão nos processos.

Por fim, é importante falarmos sobre lista de emails comprada, o que deve ser evitado de todas as formas. Não cometa esse erro. Construa a sua base de leads de modo voluntário, ou seja, com a permissão dos usuários.

Se quiser outras informações, leia mais para saber como melhorar o relacionamento com o cliente.